07 Novembro 2006

A Importância dos Pais e Encarregados de Educação

Caros encarregados de educação:

A dinâmica da sociedade, nos últimos anos, tem conduzido as famílias e os encarregados de educação a uma realidade que os impede de desempenharem o papel que tradicionalmente lhes cabia na educação dos seus filhos, tornando cada vez mais necessária uma relação de complementaridade entre a escola e a família, por forma a garantir aos jovens um desenvolvimento integral e equilibrado. Quando as interacções entre a escola e a família são positivas e existe um trabalho em parceria, os alunos aprendem a valorizar mais a escola, porque vêem que ela é valorizada pela sua família. Desta forma, a colaboração entre a escola e as famílias promove, nas crianças, sucesso escolar, auto-estima, atitudes positivas face à aprendizagem, independência e realização pessoal.

Por um lado, os pais, ao apoiarem a vida escolar dos filhos, sentem-se mais implicados e aumentam as suas expectativas relativamente ao seu percurso escolar, contribuindo para que as crianças e os jovens tenham também melhores expectativas e melhorem a sua auto-confiança, auto-estima e auto-conceito académico. A este processo chama-se “efeito de Pigmalião dos pais”. Por outro lado, este envolvimento dos pais eleva também a expectativa dos professores relativamente aos alunos, a qual exerce igualmente influência no rendimento escolar deles, através do efeito de Pigmalião, que assim se torna duplo.

Grande parte da diferença no desempenho escolar, principalmente a nível da competência verbal, deve-se às diferenças no ambiente familiar, sendo que a variável que mais contribui para estas diferenças no ambiente familiar é aquilo que os adultos fazem, no decurso das suas interacções com as crianças, e não o seu estatuto, seja ele de carácter económico ou de habilitações literárias.
O envolvimento parental na aprendizagem não se consubstancia apenas no ensino, em casa, das matérias escolares, quer directa quer indirectamente, através da formulação de perguntas ou da resolução de exercícios, mas antes numa certa atitude que ensina a criança a antecipar as consequências, a responsabilizar-se e a organizar-se face às tarefas e a dar opinião sobre assuntos correntes.

A importância do ambiente familiar para a aprendizagem, aponta para a necessidade da escola desenvolver estratégias no sentido de aumentar o envolvimento individual de todos os pais ( encarregados de educação) no dia-a-dia da vida escolar dos filhos (educandos). Esse envolvimento implica apoiar no trabalho de casa e exprimir as suas expectativas relativamente ao sucesso escolar, mas também controlar o visionamento da televisão, ler histórias às crianças, partilhar actividades de tempos livres, implicar as crianças em tarefas do quotidiano familiar, solicitar e ouvir as suas opiniões, etc.

Sabemos hoje que os indicadores mais precisos do aproveitamento de um aluno na escola não têm a ver com o seu nível sócio-económico, mas sim com o ponto até ao qual a família do estudante é capaz de criar um ambiente propício à aprendizagem, transmitindo boas expectativas em relação ao aproveitamento e à futura carreira dos seus filhos, envolvendo-se activamente na educação deles, quer na escola, quer na comunidade.

Neste sentido, permitam-me algumas sugestões relativas ao acompanhamento dos vossos filhos (educandos), que considero importantes, como pai e professor:

1- MOSTRE INTERESSE PELA ACTIVIDADE ESCOLAR DO SEU EDUCANDO
a) Saiba como lhe correu o dia na escola;
b) Pergunte-lhe se tem trabalhos de casa e testes marcados;

2- ESTABELEÇA EXIGÊNCIAS CLARAS EM RELAÇÃO À ESCOLA
a) Ser assíduo e pontual;
b) Fazer sempre os trabalhos de casa;
c) Levar sempre o material necessário para as aulas;
d) Nunca faltar ao respeito a professores e funcionários;
e) Saber distinguir o comportamento em aula (estar atento, respeitar as instruções do professor, cumprir as tarefas da aula, falar na sua vez após levantar o braço, levantar da carteira com autorização do professor, participar com oportunidade, fazer perguntas em caso de dúvida, desligar telemóveis) e no recreio;
f) Dar o seu melhor (atenção, concentração, esforço).

3- CONSULTE O HORÁRIO
a) Saiba as disciplinas que o seu educando vai ter no dia seguinte.

4- VERIFIQUE O MATERIAL
a) Confirme o material indispensável de que o seu educando precisa para as aulas do dia seguinte.

5- CONTROLE OS CADERNOS DIÁRIOS
a) Assegure-se que o seu educando faz sempre os trabalhos de casa.

6- CONTROLE A CADERNETA DO ALUNO
a) Verifique se existem mensagens dos professores para o encarregado de educação.

7- COLABORE COM O DIRECTOR DE TURMA E OS DEMAIS PROFESSORES
a) Utilize os canais de comunicação postos à sua disposição. Coloque sempre as suas dúvidas, faça perguntas, participe na vida da escola;
b) Compareça na escola sempre que chamado pelo director de turma;

8- ESTIMULE O SEU EDUCANDO A LER E SEJA CÚMPLICE DELE NA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES LÚDICAS, DESPORTIVAS E CULTURAIS

9- ENCORAJE O SEU EDUCANDO A ACREDITAR NAS SUAS CAPACIDADES, a ter confiança em si, valorizando as suas realizações escolares positivas e ajudando-o a ultrapassar as mais negativas.

10- DÊ UM BOM PEQUENO-ALMOÇO AO SEU FILHO (productos lácteos e cereais sempre presentes).

11- CONVERSE COM O SEU FILHO SOBRE AS QUESTÕES DA VIDA.
a) Ajude-o a perceber e a evitar os comportamentos de risco como o consumo de alcool e drogas;
b) Encoraje-o a dizer NÃO, a situações que ponham em risco a sua segurança e a sua saúde.

12- ESTIMULE O SEU FILHO A CRIAR UMA ORGANIZAÇÃO PESSOAL
a) Ter um local certo na casa para estudar;
b) Estabelecer um horário de estudo diário (para fazer trabalhos de casa, estudar antecipadamente para os testes, organizar o material para o dia seguinte, realizar pesquisas);
c) Usar moderadamente a televisão, o computador e a consola de jogos;
d) Desenvolver hábitos de higiene pessoal;
e) Participar nas tarefas de organização doméstica;
f) Deitar cedo.

Contamos consigo!

(dt)